Crédito ou débito?

Levantou-se da mesa do restaurante e foi até o caixa. 17,90. Débito ou crédito? Débito. Vai querer a sua vida? Desculpa, não entendi… Sua vida, vai querer? A minha via? Não, senhor, a vida mesmo. Silêncio. Não sabia o que responder à desconhecida. Por mais que almoçasse ali pelo menos duas vezes ao mês e sempre fosse atendido por ela, não a conhecia. Como poderia responder a essa pergunta, então? A resposta teria que vir acompanhada de uma explicação? Senhor? Ahmm, não, não quero a minha vida, não, pode cancelar aí. Ok. Viu o dedo indicador indo até o botão vermelho e não fez nada para impedir o ato, ainda que tenha sentido um aperto no coração e uma pequena falta de ar. Obrigada. Obrigado eu, até. Saiu lentamente do restaurante, sem entender o que tinha acontecido. Pegou o celular, entrou no aplicativo do cartão e conferiu o saldo. Ainda tinha dinheiro para o jantar. A vida, afinal, ainda não tinha acabado.