Do tudo ao nada

life

Flores murchas nas mãos
raízes jogadas aos pés
vivendo entre irmãos
desgarrado das fés
nada mais pra amar
além do signo vazio
que ainda não é mar
e segue seu curso de rio
se desfaz na queda doce
de um sorriso aguado
que se lágrima fosse
nunca teria secado
um sentimento a mais
repousa triste no peito
decidir é deixar pra trás
o que poderia ter feito
e nesse ciclo tudo acaba
mesmo que demore
até do amor resta o nada
e o que é vida, morre