Na palma da mão

hand

Eu peguei naquela mão
como quem segura uma corda
no abismo
e senti nela o chão
que me ancorou
com seu frio
naquela mão comi
rezei olhando-a debaixo
tocando-a com a ponta da língua
esperando um carinho
e um lugar entre aqueles dedos
naquela mão repousavam linhas
que eu queria seguir
ainda que elas me levassem
por caminhos sujos
em direção a um braço cansado
que não me envolvia
naquela mão eu peguei
mais do que ela poderia apalpar
porque as digitais
daquela identidade
se ocupavam demais
consigo mesmas