No Copo, Vida.

“É isso…”
Silêncio; estava de pé, segurando as mãos suadas com força; ela olhava para baixo, ele encarava sem dó.
“É isso?!”; o grito carregava a dor que já esperava sentir; “isso não entra na minha casa”; ele apontava com os olhos arregalados e a boca retorcida de nojo; “isso daí que você falou, essa porra não entra aqui”; ela ainda estava cabisbaixa; “então cê decide, se cê é isso daí mesmo, pode tomar seu rumo, vai embora”; silêncio; ele estava aguardando uma resposta; não sabia o que fazer; “mas eu já contei, tenho que fingir agora?; o que ele quer?”; “e aí?; vai embora ou vai ficar?”
“Eu não sei…”
“Não sabe?”; levantou da cadeira e se aproximou; foi então que o medo tomou conta; “mas vai saber, você não entendeu o que eu falei, imbecil?; isso daí não entra na minha casa, ou você retira o que disse ou pode pegar suas coisas e sumir!”
“Mas eu não tenho pra onde ir…”
“Então já decidiu, pode ir embora, foda-se você”; olhou para ela, pedindo ajuda; ela deixou as lágrimas caírem, olhou para ele tremendo os lábios e abaixou a cabeça novamente.
“Eu… eu… por favor, não faz isso comigo…”
“É você quem escolheu; sai antes que eu tire você daqui na porrada!”
Lágrimas caíram; esperava essa reação, mas pensou que, no fundo, se enganava; queria acreditar que ele e ela entenderiam; “que merda…”; não podia negar mais; as palavras que pronunciou pavimentaram um caminho sem volta; enxugou as lágrimas com as costas da mão direita, se levantou e encarou aqueles olhos cheios de ódio.
“O que você falou aqui vai ficar guardado na sua mente pra sempre, na minha não, porque eu cansei desse ódio que você tem aí dentro, isso pra mim não serve; pode ficar com a sua casa, seu dinheiro, seu ódio, quero ver o que você vai conseguir com ele; e você”, ergueu o dedo para ela; “não adianta chorar, porque você ficou calada; isso também não serve; o ódio dele te contamina; isso também vai ficar na sua mente pra sempre, faça bom uso; vocês dois, façam bom uso desse ódio, eu vou embora sim, mas agora vou viver de verdade; se vocês se arrependerem um dia, nem me procura, é melhor vocês aprenderem com o arrependimento…”; pegou o copo, bebeu a água e saiu da cozinha; silêncio.