Noturno

cry

Enquanto eu segurava o livro com firmeza
um vento úmido e morno entrou pela janela
era noite e a garoa deveria cair pela madrugada
ao me atingir, o vento me tirou tímidas lágrimas dos olhos
sentimentos que estavam esperando o momento certo
e se sentiram impelidos pela frescor noturno
fechei os olhos em busca de nomes pra eles
e não encontrei nada
nada fiz além de apertá-los entre as pálpebras e os cílios
senti que empapavam ligeiramente a pele e os pelos
acabaram ali
e o vento continuou entrando pela janela
enquanto eu abria os olhos
e sentia um alívio
dos menores, devo dizer
mas ainda assim, um alívio
o livro permanecia aberto
e minhas mãos o seguravam com menos poder
mais gentileza
porém me percebi como alguém falho
que precisa do exterior
para controlar o que traz dentro
fechei o livro
e com ele minha alma