Para Estancar a Dor.

Coloquei as mãos sobre os olhos:
não queria ver.
Foi tudo em vão, senti.
Meus olhos, mesmo fechados, choraram.
Os lábios estremeceram e abriram pra expressar a dor.
Sentado no chão, com as pernas cruzadas,
meu corpo balançou levemente:
não conseguia controlar as lágrimas.
A vela apagou,
a luz não quis continuar ali.
A pele arrepiou e o vento foi embora,
voando pra longe:
não quis levar meus pesadelos com ele.
Tristes fins para tristes começos.
Senti as pálpebras tremerem e o peito palpitar:
era a dor tomando conta,
cada vez mais difícil de suportar.
Não podia deixá-la em qualquer lugar,
é minha, alguém poderia querer roubar.
Agora, não consigo mais carregá-la,
há muita coisa na bagagem.
Impulsos movem o coração:
sem eles não há vida.
Paro os impulsos, então.
E os batimentos já não sangram na ferida.