Ser Ou Não Ser.

Sir Laurence Olivier na versão de 1948 de Hamlet (Foto: Rank/Film Stills). Sir Laurence Olivier na versão de 1948 de Hamlet (Foto: Rank/Film Stills).

Estou lúcido.
Agora vejo: visão clara,
dolorosa.
Como dói ver que a felicidade não existe,
que a melancolia reina
e a mentira
possui a alma de cada ser…
O respeito que exigem
não é recíproco,
a ideia deturpada de amor
não me agrada,
as palavras
não me convencem
e o destino é uma fatalidade.
Surpresa: a realidade,
que você já vê,
mas não quer admitir,
agora dança para seus olhos
se assustarem,
porque seu medo se concretizou:
lucidez.