Três atos: de 23 a 29

Arquivo pessoal. Arquivo pessoal.

Sobrevivemos alguns anos
mas a tristeza cresceu
findamos nossos planos
e o futuro nos esqueceu
Desacostumado da liberdade
senti a solidão como prisão
não agia com naturalidade
pois não sentia meu coração
Morri para continuar
escrevi para sobreviver
mas precisava retornar
ao caminho onde me vi nascer
O coração, enfim, acalmou
pois entendeu a missão
reconheceu que amou
e ainda está em construção

*Três atos: chegaremos ao fim de mais uma década e, com isso, iniciarei meu trigésimo ano de vida. Esse fato me fez repassar mentalmente minha história e ela pediu pra ser transcrita em forma de poemas. Em três períodos, me autobiografei por meio da rima, numa tentativa de me reconhecer para começar o próximo ano ciente do que posso encontrar pelo caminho, mas também com a intenção de criar conexões através das similaridades, posto que a solidão não deve ser constante, apenas uma lição vivida.