Você Não Me Conhece.

Você não me conhece:
falo diretamente com você…
Você não conhece o poeta,
não conhece o reflexo
ou a sombra;
existe uma dualidade,
uma contrariedade
presa no peito
e escondida na mente,
mas você não vê
(desejos viscerais;
sonhos letais;
tristezas sepulcrais);
você não me reconhece,
não me diz que eu existo,
você apenas me esquece,
pra viver a sua libido;
mas eu te conheço,
porque eu te ouvi
e enquanto você falava
eu sorri;
eu reconheci;
eu me vi em ti;
mas você não me viu em si;
você não me conhece,
não me reconhece,
me desconhece
e me esquece;
e o mundo gira
gira
e
para
o meu coração;
se você me reconhecer,
se você me despir
e me dizer,
e me fazer sorrir,
eu voltarei a girar,
girar
e girar,
até mesclarmos,
até suarmos
e nos tornarmos
um;
mas hoje,
você não me conhece;
só me esquece;
não vê o poeta,
o reflexo
ou a sombra;
você corre,
se esconde,
sem pena
e, no fim,
morre
em mim,
no meu colo
e no meu poema.