Vulnerável

vulneravel

Não acredito no que quero
mas sim no que me acontece
pois caminhei muito
e não cheguei a lugar algum
Agora, decidi parar
e contemplar a frustração

Tenho sentido tanta culpa
que minhas mãos chegam a tremer
elas não seguram nada
estão fracas e ásperas

Não sei quando falarei nomes
sem me emocionar
e se ainda estou dolorido
porque meus olhos recusam a luz

Querem de mim o que desaprendi
e a razão é indiscreta
torce meus pensamentos
exigindo espaço desocupado

Deixei de tentar
pois a insistência é ataque
pra quem precisa de defesa
e só se defende o que está vulnerável